Em resposta à carta que enviámos a todas as Câmaras Municipais do país, questionando sobre a aplicação do PREVPAP em cada município, recebemos resposta da Câmara Municipal da Guarda, em que nos comunica que “o Município está a estudar o assunto”. Não tendo sido transmitida mais informação, fica por esclarecer quantas situações de precariedade foram identificadas. E fica a dúvida sobre se a autarquia está a estudar a forma como vai implementar o processo de regularização; ou se estará simplesmente a decidir se vai ou não implementar o programa. Este esclarecimento é essencial para os trabalhadores que eventualmente estejam em situação precária, com a legítima expectativa de ver a sua situação regularizada.

Continuaremos a lutar e a exigir a regularização de todas situações de precariedade em todas as autarquias. E apelamos a todas as pessoas, na Guarda e em cada localidade do país, para que se mantenham atentas e nos remetam informação relevante. Só a mobilização e a solidariedade poderá garantir a concretização deste processo e que ninguém fica para trás.