Sou colaboradora na RTP desde Janeiro deste ano, de forma ininterrupta, muito embora tenha colaborado em projectos pontuais nos últimos anos. Na RTP há falsos recibos verdes com contratos de prestação de serviços até 1 ano, como é o meu caso, neste momento, com contrato válido até Outubro de 2017. De resto, há colaboradores nesta situação há seis anos (por exemplo).

Na RTP esta situação é transversal, ou seja, abrange todas as áreas: desde a Produção a Conteúdos, Informação, Planeamento de Emissão, etc., ou seja, desde as áreas mais inconstantes e com função mais ou menos intermitentes até às áreas como o Planeamento Operacional de Emissão, de serviço constante e horários absolutamente inflexível (assim o exige o próprio trabalho).

Tenho a informação que seremos, só na RTP, cerca de 600 colaboradores nestas condições: recebemos uma remuneração fixa por mês e cumprimos horários. Somos obrigados a ter um seguro de trabalho (contratado por nós) e não podemos estacionar o carro, sequer, dentro das instalações.

Não temos acessos aos serviços clínicos da empresa, pagamos mais que os funcionários pelas refeições e nos bares e estão constantemente a ameaçar-nos de termos que pagar as estadias e refeições quando fazemos programas no exterior – muitas vezes trabalhando dias e noites a fio pelo mesmo vencimento, quando os funcionários da empresa só podem trabalhar 7h por dia e têm direito a €12,50 de subsídio de refeição caso estejam no exterior (já para não falar nos subsídios de exterior, pagamento de quilómetros, as estadias têm, contratualmente, que ser em quartos single superior a 4 estrelas, etc, etc). Bom, as imparidades são gigantes. Eu não quero (de todo!) que os actuais funcionários percam os seus direitos. O que queremos é que nos seja reconhecida a necessidade. Oficialmente.
― Falso Recibo Verde na RTP: a situação é transversal a todos os serviços